Troféu Falange | Os 5 Piores Filmes de 2017

0

Vinheta do NáuseaMinha Camaradagem! Te contar um negócio: a chegada do Professor Lumière significou um ganho muito grande em qualidade de vida pra mim. 2017 acabou e não tive que resenhar nenhum filme realmente ruim e, porra, um brinde ao Professor. Então, como forma de agradecer pela graça alcançada e dar uma equilibrada nas coisas, peguei o Troféu Falange de piores filmes de 2017 pra fazer. Como um bandêide, é melhor fazer rápido pra não prolongar a muito a dor. Ah! A ordem dos filmes é aleatória, pois são todos uma merda. Vambora:

Os Piores Filmes de 2017

#5 | Pica-Pau: O Filme

O personagem Pica-Pau em uma das cenas de Pica-Pau: O Filme, um dos piores filmes de 2017. Pica-Pau olha está sentado em um decodificador de tv, olhando diretamente para o expectador com ar de felicidade. Ao fundo estão alguns veículos desfocados.

Constrangedor. Pra resumir, assim foi essa tentativa de levar o já maltratado personagem para o cinema. Sim, porque a leva mais nova de desenhos do Pica-Pau, lançada nos anos 2000 por aqui, já era ofensiva o bastante pra mim e pra grande parte da galera que cresceu assistindo os desenhos mais antigos. A sensação é de que a Universal não sabe muito bem o que fazer com o personagem e, no fim, quem se fode somos nós, que ficamos com um dos Piores Filmes de 2017.

O filme mirou em um público bem jovem – o que é bem diferente de ser idiota, mas a Universal parece não saber a diferença – e entregou um live-action lotado de atores ruins, com um roteiro ridículo e um protagonista totalmente descaracterizado e MUITO mal feito em computação gráfica. No final, não agrada nem o público alvo e nem os pais do público alvo, que conhecem o desenho original e provavelmente saíram putassos do cinema, depois de gastar 2% do PIB de um país emergente em combos de pipoca e refri. Lamentável.

#4 | Cinquenta Tons Mais Escuros

A imagem é um fragmento do cartaz oficial do filme Cinquenta Tons Mais Escuros, um dos piores filmes de 2017. Anastasia Steele, personagem vivida por Dakota Johnson dança de rosto colado com Christian Grey, personagem vivido por Jamie Dornan. Anastasia Steele usa um vestido longo cinza claro e uma máscara prateada decorada com brilhantes enquanto Christian Grey está de Smoking preto e gravata borboleta.

Sendo justo, o problema aqui já começa no material fonte pra fazer o filme: uma série de fan fictions da saga Crepúsculo, que posteriormente viraram livro. O diretor que conseguisse fazer algo perto do aceitável com esse material de fonte mereceria ser canonizado. Mas porra, James Foley nem tentou. OK, a continuação de Cinquenta Tons de Cinza (Fifty Shades of Grey, 2015) é melhorzinho que seu antecessor, mas até aí morreu Ned, parcêro.

Na real, o filme se vendeu errado desde o início: a saga dos Cinquenta Tons é um belíssimo exemplar do genêro soft porn ou, como eu costumo chamar, foda de umbigo. Tu tá ligado: são aqueles filmes que passavam nas noites de sexta no SBT ou nas finadas sessões Sexta Sexy e Cine Privê da Band, sem nu frontal de nenhum tipo, mas repleto de peitos siliconados e com as já citadas fodas de umbigo. Roteiro? Tu tá de sacanagem… Pra quê? O foco desses filmes era bem outro e quem ficava no sofá da sala fingindo assistir o Globo Repórter sabia muito bem disso, o que não foi o caso em Cinquenta Tons, que procura convencer a todos que é um filme de verdade e por isso vira um dos Piores Filmes de 2017. Emmanuelle se revira no túmulo. Lamentável.

#3 | Emoji: O Filme

A imagem mostra os três protagonistas de Emoji: o Filme, um dos piores filmes de 2017. A esquerda a personagem Jailbreak, no centro o personagem Gene e a direita o personagem Hi-5. Os três caminham sorridentes em direção ao expectador e ao fundo estão uma série de circuitos eletrônicos multicoloridos.

Caceta, e ainda estamos na metade, hein? Tentaram fazer um filme sobre Emoji.

Sim, tentaram fazer um filme longa metragem INTEIRINHO sobre Emoji. Sentaram pra escrever um roteiro, pensaram num protagonista, num clímax e num final pra uma PORRA de um FILME sobre EMOJI! Esse tipo de gente não merece ser feliz. Lamentável.

#2 | Um Tio Quase Perfeito

A imagem mostra parte do elenco do filme Um Tio Quase Perfeito, um dos piores filmes de 2017. Em primeiro plano, em pé na frente de uma escada interna e uma casa está o Tio Tonny, vivido por Marcus Majella. Atrás de Majella e sentados nos degraus da escada estão Julia Svacina, Sofia Barros e João Barreto, que vivem respectivamente os personagens Julia, Valentina e João.

Nenhuma lista de piores filmes do ano seria completa sem um representante das “comédias ruins nacionais da Globo Filmes”, que já estão virando quase um gênero próprio, graças à regularidade e número de produções. Na real, daria pra fazer uma lista só com elas, mas escolhi Um Tio Quase Perfeito como representante simplesmente pela escolha do título: um belíssimo exemplar do tipo “Filme de Sessão da Tarde”, que debatemos bastante no ótimo Mesa para Três: tradutores infelizes, que você ouve aqui.

A atuação canastrona e sem carisma de Marcus Majella no papel do Tio Tonny contribui bastante para o fracasso desse filme. Junte três atores mirins igualmente vergonhosos a um roteiro feito nas coxas e você tem um filme desnecessário e de dar raiva, onde é possível adivinhar o final nos primeiros dez minutos de exibição. Brasileiramente lamentável.

#1 | Assassin’s Creed

A imagem mostra o ator Michael Fassbender na pele do personagem Aguilar do filme Assassin's Creed, um dos piores filmes de 2017. Na foto tirada do nível do chão e apontando para o céu, podemos ver Aguilar saltando do topo da Catedral de Florença, Itália. O topo da catedral encontra-se no lado direito da imagem, enquanto Aguilar praticamente toda a largura restante da imagem.

Como falei lá em cima, a ordem é aleatória mas esse primeiro lugar tem um valor simbólico bem grande, porque a única subcategoria que acumula mais fracassos que “comédias ruins nacionais da Globo Filmes” e a de “filmes baseados em videogames de sucesso”. A lista é longa – se inicia em 1993, com o inacreditável Super Mario Bros. – e ainda vai aumentar, com pelo menos mais quatro títulos nos próximos dois anos, incluindo um filme sobre Minecraft, que já está com lugar guardado na lista de 2019.

Assassin’s Creed foi escolhido como o representante dessa subcategoria porque é o primeiro filme de uma possível série. Resident Evil 6: O Capítulo Final (Resident Evil 6: The Final Chapter, 2017), perdeu o lugar por ser uma continuação de uma série que todo o mundo já sabe que é ruim. Eu fico com pena do Michael Fassbender porque ele é um bom ator e bem que tentou salvar alguma coisa, mas realmente não deu: muitas cenas em tela verde pra pouco roteiro. Históricamente Lamentável.

Acabou? Finalmente!

Observações:

  1. Pode procurar: nenhuma dessas obras foi resenhada na Falange, pois temos vergonha na cara e amor próprio.
  2. A Falange tem uma regra de ouro da qual eu me orgulho muito: nós nunca falamos sobre a série de filmes dos robôs gigantes que se transformam. O filme desse ano merecia estar aqui nos Piores Filmes de 2017 com sobras, mas a tradição continua.
  3. Bjundas e até a próxima.