Retrospectiva Marvel #7 | Homem de Ferro 3

0

Vinheta do Professor LumièreOlá, queridas e queridos membros da Falange! Estamos dando continuidade à Retrospectiva Marvel e, faltando 11 semanas para a estreia de Vingadores: Guerra Infinita, chegou a hora de riscar mais um filme da lista e revisitar Homem de Ferro 3 (Iron Man 3, 2013). O filme de Shane Black (Beijos e TirosDois Caras Legais) não agradou muito à crítica na época do lançamento, mas isso não impediu os fãs de irem aos montes para as salas de cinema para conferir a nova aventura de Tony Stark após Os Vingadores (The Avengers, 2012). Afinal, era o início da Fase Dois do Universo Marvel e todos queriam saber como seria o primeiro passo em direção a Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron, 2015). Agora, quase cinco anos depois, eu, Bastille e a Mãe Serpente nos reunimos para decidir: o filme é tão ruim assim mesmo ou só esperamos demais dele na época? Assista ao trailer e leia nossos comentários em seguida:

Homem de Ferro 3 | Comentários


Vinheta do Professor LumièreDepois de todos os acontecimentos de Os Vingadores, a grande pergunta que o Universo deixou na cabeça do público foi: e agora? Como os super-heróis seguiriam adiante depois de terem se unido e lutado contra a maior ameaça que o planeta já enfrentou? Homem de Ferro 3 tinha um importante papel em estabelecer as peças para a Fase Dois, além de dar continuidade ao arco de Tony Stark – e falhou miseravelmente. Ok, não tão miseravelmente, mas o roteiro de Drew Pearce e Shane Black não tem foco nenhum, não sabe como funcionam os poderes de seus vilões e perde tempo demais com subtramas inúteis. Tudo bem incluir um garotinho no meio da jornada de Tony, mas por que diabos essa criança participa de quase metade do filme? E é tão difícil assim encontrar tempo num filme de 130 minutos para incluir uma ceninha do garoto com a mãe? Ela realmente continuou ausente mesmo depois do filho ter quase morrido no que, para todos os efeitos, era um ataque terrorista?

Homem de Ferro 3 definitivamente é um dos filmes que menos gosto no Universo Marvel, mas ainda assim consigo encontrar algumas qualidades que o redimem. A decisão de incluir uns ataques de ansiedade em Tony é interessante, ainda que mal executada. Acho legal pelo menos terem se preocupado em mostrar que não dá pra sair completamente ileso de uma guerra alienígena. A sequência em que Tony salva 13 pessoas em queda livre é uma das minhas preferidas do Universo Marvel por traduzir com perfeição o emblemático “momento heroísmo”. Vibro de verdade com ela, mesmo já sabendo o que vai acontecer. Black claramente quis que esse filme tivesse mais Tony do que Homem de Ferro, e não por acaso Tony diversas vezes luta usando apenas partes da armadura. Também gosto da decisão, uma vez que quando está totalmente transformado, perdemos muito do carisma e da atuação de Robert Downey Jr. devido às limitações óbvias do traje. Por fim, acho a última sequência de ação divertida, apesar de pouco ligar para os personagens àquela altura. Mas o uso dos diversos tipos de armadura em conjunto é algo que provavelmente não veremos de novo tão cedo, então foi bom enquanto durou.


Vinheta da Mãe SerpenteSim, a montagem de Homem de Ferro 3 é mal feita e cheia de erros de continuidade. Sim, os diálogos são mal escritos. Sim, a Pepper Hulk e o Aldrich cuspindo fogo são dois dos momentos mais vergonhosos do MCU. Apesar disso, a Mãe quer fazer um elogio à decisão mais polêmica do filme: o Mandarim de Ben Kingsley.

O roteiro nunca deixa muito claro as motivações de Aldrich Killian (Guy Pearce) para criar o mito do Mandarim; é difícil acreditar que encobrir acidentes de pesquisa seja motivo suficiente. Mas a revelação do Mandarim como um ator drogado e covarde pegou todo o mundo de surpresa. Nos quadrinhos, o Mandarim é um dos principais inimigos do Homem de Ferro, líder de uma organização criminosa conhecida como Dez Anéis, em homenagem aos dez anéis místicos que ele utiliza. Esses anéis dão ao Mandarim habilidades sobre-humanas, como atirar raios pelas mãos, desintegrar matéria e controlar a mente de outros humanos. E vamos ser sinceros, a Marvel ainda não estava disposta, em 2013, a criar vilões fantásticos. O Mandarim do filme, sem todo o misticismo que o envolve nos quadrinhos, estava fadado a ser uma decepção.

Eis que a decepção com o Mandarim se torna um próprio ponto da trama, numa decisão ousada mas extremamente funcional. O verdadeiro Mandarim continua escondido e esperando para ser revelado, em um filme melhor, por favor. E isso não é só esperança da Mãe. A organização Dez Anéis existe de verdade, e sequestrou Tony Stark no primeiro filme. E em um one-shot da Marvel (por que essa ideia morreu?), Trevor Slattery (Ben Kingsley), na prisão, é sequestrado por um representante do verdadeiro vilão. Ainda há muito a se explorar depois de Thanos sair de cena.


Vinheta de BastilleBonjourHomem de Ferro 3 é tão mal falado que tiveram que me arrastar para que eu assistisse de novo ao filme. Dito isso, o filme não é de todo ruim. Gostei bastante do Mandarim ser apenas um ator. Outro ponto legal é a relação que o Tony Stark constrói com o garoto Harley (Ty Simpkins), que o ajuda a consertar sua armadura e a entender um ataque do Mandarim que ocorreu em uma cidade do Tenessee. Acho legal que a Marvel sempre tente aproximar seus heróis da população, algo que a DC não consegue fazer até agora.

Apesar de ter alguns momentos interessantes, o maior problema do filme é que conta apenas com Robert Downey Jr. para se sustentar. E por mais que o ator seja excelente na sua interpretação do herói, não consegue carregar o filme sozinho. Não é capaz de salvar um filme com tantos diálogos e cenas constrangedores. Não é capaz de salvar um filme que transforma a Pepper (Gwyneth Paltrow) em uma Hulk. Precisamos falar daquilo. A Pepper é injetada com o soro Extremis, e o filme nunca deixa muito claro quais são os efeitos deste soro. Seria algo que obriga o corpo a se regenerar constantemente, mas que acaba por superaquecê-lo, podendo levá-lo à explosão. Ok, mas em nenhum momento é explicado que o soro dá poderes como super-força. E ainda assim, há uma cena em que Pepper destrói uma armadura de Homem de Ferro com as próprias mãos, tem um pulo bem acima da média, e uma mira impressionante de precisa. Para quem quiser ver, está tudo aqui. Eu só fico feliz de terem conseguido curá-la.