Jogos indie 2018 | As expectativas da Mãe Serpente

0

Vinheta da Mãe SerpenteMais um ano acabou, e depois de discutir quais foram os Melhores Jogos Independentes de  2017, é hora de focar no futuro e começar a esperar ansioso pelos títulos que ainda estão por vir. E tudo indica que 2018 será um ano ainda melhor para o cenário indie. Na lista de Jogos Indie 2018, é hora de falar sobre os 10 títulos favoritos da Mãe Serpente, aqueles que ela espera acima de todos os outros. Alguns títulos foram excluídos da lista de propósito, como Death’s Gambit (White Rabbit) e EITR (Enem Entertainment), porque já foram adiados tantas vezes que não dá para saber se esse será, finalmente, o ano em que serão lançados. Ainda assim, selecionar apenas 10 de uma lista com mais de 60 títulos que a Mãe quer jogar em 2018 foi extremamente difícil. Uma boa notícia.

Jogos Indie 2018 | Os 10 mais aguardados pela Mãe

#10 | Tunic

A Mãe é um ser simples. Ela vê alguma coisa inspirada em The Legend of Zelda (Nintendo) e compra. Tunic está sendo desenvolvido por Andrew Shouldice junto da Finji, a mesma empresa que trabalhou com a Infinite Fall para dar vida a Night in the Woods (2017) – resenha aqui. Isso é uma ótima notícia, considerando a qualidade técnica de Night in the Woods, e o cuidados que os desenvolvedores tiveram em criar um mundo visualmente único. Tunic também possui um design gráfico autoral, com o uso de polígonos para formar elementos do mundo, e uma raposa como protagonista. Fora isso, o jogo é inteiramente Zelda. Combates com espada, visão isométrica, aventura, exploração, puzzles, ferramentas novas. Às vezes precisamos apenas de algo simples para ficarmos ansiosos. Tunic não tem data de lançamento, e está confirmado para Windows, Mac e consoles não divulgados, o que significa que estão tentando lançar em todas as plataformas disponíveis.

#9 | Crossing Souls

O segundo jogo da nossa lista de Jogos Indie 2018 é um dos poucos com data certa para chegar nas mãos dos jogadores: 13 de fevereiro. No meio do carnaval. E não existe um ano melhor para se lançar um jogo sobre os anos 80, com um grupo de crianças como heróis, e forças sobrenaturais que ameaçam uma pequena cidade dos Estados Unidos. Já faz alguns anos que a Fourattic está desenvolvendo Crossing Souls, mas agora que os anos 80 voltaram a ter relevância, com Stranger Things (2016 -) e o remake de It – A Coisa (2017), o público alvo do jogo cresceu muito. Será possível controlar cinco personagens diferentes para explorar o mundo, resolver mistérios e jogar minigames, e o jogo promete muito conteúdo, e muitas referências da época para os saudosistas. Crossing Souls sai para Windows, Linux, Mac, PlayStation 4 e PS Vita. Mas a Mãe não duvidaria de uma versão para Switch em breve.

#8 | Ooblets

Em 2017, para quem gosta de simuladores de fazenda e exploração, tivemos o maravilhoso Yonder: The Cloud Catcher Chronicles (Prideful Sloth) – resenha aqui. Para 2018, três títulos já estão na disputa para ganhar o coração de fãs do gênero. RE: Legends (Magnus Games) é um projeto fantástico, mas sua campanha de Kickstarter arrecadou tanto dinheiro, e possibilitou a inclusão de tantas coisas a mais no jogo base, que existe uma grande chance do jogo só chegar em 2019. Mineko’s Night Market (Meowza Games), por sua vez, não nos deu informação suficiente para ser o mais esperado pela Mãe. Já Ooblets (Glumberland) tem a fórmula necessária para apelar para o saudosismo que a Mãe tem do Game Boy Color ao ter Pokémon como uma de suas inspirações. Além de simular a vida de fazenda, em Ooblets será possível plantar e colher criaturas, que também podem ser encontradas de forma selvagem e trocadas. Ooblets ainda não tem data de lançamento, nem plataformas confirmadas, mas com a distribuição pela Double Fine, é provável que o jogo chegue a todos os consoles. (PS: A Double Fine deixou a Mãe muito triste quando adiou Psychonauts 2… o primeiro lugar da Jogos Indie 2018 estava reservado para eles).

#7 | The Artfull Escape

The Artfull Escape of Francis Vendetti teve seu nome reduzido, mas não perdeu em nada a atenção de jogadores e críticos do mundo todo. O jogo tem como protagonista um jovem capaz de utilizar a música para modificar o mundo a seu redor. Mesmo que pouca informação tenha sido disponibilizada em relação à gameplay em si, o design gráfico e de som de The Artfull Escape é uma das coisas mais bonitas criadas nos últimos anos, e não só nos videogames. Produzido pela Beethoven & Dinosaur, e sem data de lançamento confirmada, The Artfull Escape será distribuído pela Annapurna Interactive, a mesma distribuidora que no ano passado nos trouxe What Remains of Edith Finch (Giant Sparrow)  – resenha aqui – e Gorogoa (Jason Roberts) – resenha aqui. Tudo indica que The Artfull Escape será uma das melhores experiências estéticas de Jogos Indie 2018, para Windows e Xbox One.

#6 | Donut County

Outro jogo distribuído pela Annapurna, Donut County chama atenção pelo seu conceito surreal. O protagonista do jogo é um guaxinim. Que controla um buraco por controle remoto. Um buraco que cresce quanto mais coisas engole. Não é à toa que o jogo desenvolvido por Ben Esposito está sendo nomeado como um novo Katamari (Keita Takahashi), a franquia em que você controla um globo que cresce cada vez que passa por cima de objetos menores, até engolir todo o mundo. Donut County tem uma premissa surreal, gráficos formados por cores chapadas e sem borda, e promete uma jogabilidade jamais vista. São motivos suficientes para esperar um lançamento, ainda sem data marcada.

#5 | Praey for the Gods

A Mãe é um ser simples, lembra. Ela também vê alguma coisa inspirada em Shadow of the Colossus (2005, Ico Team) e compra. Presa em um mundo coberto de neve, a protagonista sem nome precisa derrotar os próprios deuses para salvar a humanidade. Isso significa batalhas épicas contra criaturas colossais. Esse será o primeiro jogo da No Matter Studios, depois de alguns atrasado e inclusive uma disputa judicial com a gigante Bethesda, que forçou o jogo a mudar seu nome para Praey for the Gods, ao invés de Prey for the Gods, por causa de sua franquia Prey. Uma decisão muito criticada, já que não era um nome igual, “prey” é uma palavra comum em língua inglesa, e os dois jogos são completamente diferentes até os últimos detalhes. Sem querer, no entanto, a Bethesda deu ainda mais publicidade para Praey for the Gods, que ganhou espaço na lista de Jogos Indie 2018 e deve sair por volta da metade do ano para Windows, Xbox One e PlayStation 4.

#4 | The Last Night

Com um dos trabalhos em pixel arte mais bonitos já criados, The Last Night é uma aventura futurista claramente inspirada em Blade Runner. Com poucos detalhes revelados, The Last Night está em desenvolvimento pela Odd Tales, e mostra um futuro distópico, em que as máquinas tomaram para si todo o trabalho humano, e resta apenas desfrutar do lazer e encontrar um sentido para a vida. Com elementos de ação, furtividade e plataforma, The Last Night promete um mistério policial nos mesmos moldes do filme que o inspirou. Depois de quatro anos de desenvolvimento, The Last Night chega em 2018 para Windows, Mac, Linux e Xbox One.

#3 | A Way Out

Criado pela Hazelight Studios, e distribuído pela EA, A Way Out é um dos jogos mais aguardados de 2018, e chega 23 de março no Windows, PlayStation 4 e Xbox One. Esse é o primeiro jogo da Hazelight, mas quase toda a equipe do estúdio fazia parte da Starbreeze Games, a criadora de Brothers – A Tale of Two Sons (2013) – resenha aqui. Inclusive o diretor de Brothers, Josef Fares, que também dirige A Way Out. A novidade que o título traz é seu modo cooperativo obrigatório. Só será possível jogar A Way Out com dois jogadores ao mesmo tempo, de forma local ou online. É algo inédito na indústria, e será interessante ver essa mecânica em funcionamento.

#2 | Baba Is You

Um puzzle diferente de tudo o que já foi feito, Baba Is You obriga o jogador a pensar fora da caixa para modificar as próprias regras de jogo. É por isso que não podia faltar nessa lista de Jogos Indie 2018. A cada fase, um conjunto de letras dá as regras básicas de funcionamento daquela fase. Esses conjuntos de letras podem ser arrastados para que as regras mudem, e com isso as mecânicas de jogo. É um conceito difícil de descrever, mas que abre espaço para cetenas de puzzles criativos e únicos. Desenvolvido inteiramente pelo finlandês Arvi “Hempuli” Teikari, Baba Is You está confirmado apenas para Windows até agora, mas deve ser distribuído em Linux e Mac também.

#1 | Distortions

No topo da lista de Jogos Indie 2018 está Distortions, uma aventura narrativa com elementos musicais. E a desenvolvedora de Distortions, a Among Giants Games, é brasileira! Esse é o projeto mais aguardado pela Mãe para 2018 porque tem o potencial de ser um dos melhores jogos tupiniquins já desenvolvidos. Distortions promete um mundo aberto, sensível à música, com o qual o jogador pode interagir com um violino mágico. Promete uma narrativa complexa, em que é preciso descobrir o passado de uma personagem sem memória. Promete encontros memoráveis com criaturas fantásticas, que precisam ser enfrentadas ou podem se tornar aliadas na jornada. É um conjunto ousado de promessas, mas a Mãe está mais do que ansiosa para jogar Distortions e descobrir todos seus segredos. O jogo está confirmado para Windows, e já está em sua fase de beta fechado.