Manchetes da Mãe | Darksiders 3 e outras notícias dos games

0

Mãe SerpenteChegou sexta-feira, dia de Manchetes da Mãe! Nessa semana, tivemos uma surpresa extremamente agradável, com o anúncio de Darksiders 3. Os detalhes do primeiro DLC de The Legend of Zelda: Breath of the Wild também foram divulgados pela Nintendo. Dwayne Johnson, também conhecido como The Rock, divulgou as primeiras imagens do set de Rampage, baseado no clássico de arcades. Por fim, Prey Praey for the Gods teve o título modificado depois de uma disputa judicial com a Bethesda. Por que tudo isso é importante? A Mãe te conta!

E para @s falangeir@s que preferem utilizar o Youtube, as Manchetes da Mãe também estão disponíveis no canal da Falange.

Darksiders 3 | Até que enfim!

Darksiders é uma franquia de videogames que teve o primeiro título lançado em 2010. O jogo é um hack and slash que fez sucesso não só por ser extremamente divertido de se jogar, mas também por seu cenário. Darksiders: Wrath of War (Vigil Games) coloca o jogador na pele de Guerra, um dos quatro Cavaleiros do Apocalipse, que acaba envolvido em uma conspiração entre o céu e o inferno e sem querer ajuda a provocar o Fim dos Tempos. Coisas da vida. Apesar de problemas de narrativa, Darksiders: Wrath of War termina com a promessa de um jogo futuro em que os quatro Cavaleiros apareceriam. E é interessante notar que todos os quatro já apareceram em quadrinhos desenvolvidos pela própria Vigil.

Darksiders
À esquerda, Guerra. À direita, Morte. Dois irmãos. Dois Cavaleiros do Apocalipse.

Dois anos depois, chegou Darksiders II: Death Lives (Vigil Games). Apesar do nome cafona, o jogo foca em um segundo Cavaleiro: Morte. E não só muda a personagem, mas muda também a jogabilidade, de modo a se adequar às diferenças dos dois irmãos. Guerra é um tanque, preparado para receber dano e enfrentar os inimigos de frente. Morte é capaz de destruir oponentes, mas sua fragilidade exige uma atenção maior à esquiva nos combates, que são mais acelerados. O lançamento de Darksiders 2: Death Lives definiu a estratégia da Vigil Games: fazer quatro jogos, cada um focado em um dos Cavaleiros, e depois um quinto jogo com todos os quatro. Animador. Acontece que a distribuidora, THQ, foi à falência. E começou uma longa disputa pelos direitos autorais dos jogos.

Cinco anos se passaram, mas, finalmente, Darksiders 3 vai ver a luz do dia. A Cavaleira da vez, Fúria, tem um conjunto próprio de armas. E a estória do jogo irá girar em torno da caçada aos Sete Pecados Capitais, de maneira simultânea ao desenrolar do segundo jogo, e previamente ao julgamento de Guerra por seus crimes no primeiro jogo. A má notícia: somente no final de 2018 Darksiders 3 será liberado para PC, XboxOne e Playstation 4.

Breath of the Wild | Detalhes do primeiro DLC

O DLC de The Legend of Zelda: Breath of the Wild marca uma nova era para a Nintendo. Essa é a primeira vez que a companhia desenvolve um DLC para um de seus grandes títulos. As poucas franquias próprias da Nintendo que já tiveram um DLC ao longo dos anos eram apenas jogos mutiplayers, usualmente para portáteis. Os jogadores podem esperar mais uma mudança enorme na fórmula da franquia Zelda com esse DLC. O pacote, que sai na metade do ano, vai introduzir um modo difícil.

Esse será o primeiro jogo da série com uma diferença entre níveis dificuldades. Podemos esperar inimigos mais fortes, mais capazes de detectar a presença de Link e com regeneração de vida no meio do combate. Plataformas suspensas por balões também estarão espalhadas por Hyrule, abrigando itens preciosos e inimigos. O DLC também desbloqueia novas máscaras e armaduras, a possibilidade de criar teleportes, um rastreamento do caminho do jogador no mapa ao longo de 200 horas e um novo modo, chamado Trial of the Sword. Nesse desafio, Link deverá sobreviver a 45 salas cheias de inimigos, contando apenas com o equipamento que encontrar no local. A recompensa: uma Master Sword inquebrável.

Zelda Breath of the Wild DLC
Os novos equipamentos fazem referência a outros jogos da franquia, como ‘Twilight Princess’ (2006), ‘Majora’s Mask’ (2000) e ‘Wind Waker’ (2002).

Rampage | Vai ter uma adaptação cinematográfica… pra quê?

Dwayne Johnson, o The Rock, está extremamente animado com seu novo projeto: uma adaptação para os cinemas de Rampage. A franquia começou nos arcades, mas logo virou uma sequência de jogos. Isso porque Rampage parte de um conceito simples: cada jogador controla um monstro destruidor de cidades. O objetivo do jogo, então, é derrubar prédios, devorar pessoas e derrotar as forças armadas que tentam te impedir. Simples assim. Não existe uma narrativa muito elaborada, e isso significa que um filme de Rampage terá que criar praticamente do zero sua trama. As chances de isso dar errado são enormes. Todo mundo lembra de Pixels (2015). Por mais que a gente queira esquecer.

Day 1. Kicking off production. #RAMPAGE. In our story we have three animals who fall victim to evil genetic editing,…

Publicado por Dwayne The Rock Johnson em Terça, 2 de maio de 2017

A primeira foto do set de filmagens mostra Johnson ao lado do ator que irá capturar os movimentos do gorila George. A sinopse divulgada por Dwayne Johnson já prevê a aparição das três criaturas principais. Teremos George, o gorila baseado em King Kong. Lizzie, o lagarto à la Godzilla. E Ralph, o lobisomem gigante… eu nunca entendi muito bem.

Praey for the Gods | Bethesda obriga mudança de nome

Em 2015, a Bethesda iniciou uma ação judicial contra a No Matter Studios. A desenvolvedora indie lançou uma campanha no Kickstarter para um sucessor espiritual de Shadow of the Colossus (Kenji Kaido, 2005) chamado Prey for the Gods. Acontece que a Bethesda possui os direitos autorais da franquia Prey. E se achou no direito de reclamar do uso da palavra em outro título de jogo. Sim, do uso de uma única palavra. A No Matter Studios desistiu essa semana de levar o processo adiante, e simplesmente acrescentou um “a” na palavra “Prey”, atendendo, assim, às exigências da Bethesda. A mudança foi realizada porque a No Matter Studios é uma empresa pequena, enquanto a Bethesda é um estúdio gigante, e a batalha judicial iria gastar muitos recursos, necessários para concretizar o jogo.

Acontece que a Bethesda acabou virando alvo de milhares de pessoas que, como a Mãe, acham que a exigência é uma grande perda de tempo. E o projeto da No Matter Studios, Praey for the Gods, ganhou publicidade gratuita com a ação. Uma excelente notícia, já que esse é um dos títulos indie que a Mãe certamente vai jogar no fim do ano.