Falange Resenha | Guardiões da Galáxia Vol. 2

2
398

náusea vinhetaMinha camaradagem!

Rapaz… Guardiões da Galáxia Vol. 2. Como podem ver nesse link, eles são um tema recorrente na Falange e uma das poucas preferências em comum do grupo todo.

Inclusive eu sempre deixei claro que o primeiro Guardiões é o melhor filme já feito pela Marvel. Aquele climão anuzoitenta é irresistível pra esse velho coração de pugilista aqui.

Claro que grande parte do sucesso do primeiro filme se deve à falta de compromisso com aquela cronologia tão amarrada do universo Marvel do cinema, além do fato de James Gunn, o diretor, não precisar lidar com encheções de saco do tipo “ain, mas no gibi é diferente…”, porque na real muita gente nem sabia da existência dos Guardiões até aquele momento.

Agora o cenário era bem diferente: o primeiro filme, que a princípio seria um tapa buraco entre o segundo Capitão América e o segundo Vingadores, foi um sucesso tão absurdo que garantiu uma sequência, elevando as expectativas de geral lá pra casa do caralho.

Tá, mas e aí??

E aí que Guardiões da Galáxia Vol. 2 passou a ser o melhor filme da Marvel!

Vai ter spoiler aqui e ali, mas eu aviso antes, blz?

Guardiões da Galáxia Vol. 2

O enredo

Depois dos acontecimentos do primeiro filme, Drax (Dave Bautista), Gamora (Zoe Saldana), Rocky (Bradley Cooper), Groot (Vin Diesel) e Peter Quill (Chris Pratt) continuaram juntos e entraram no ramo dos ‘heróis de aluguel’, prestando seus serviços em troca de algo de valor, o que dá origem a uma cena de abertura fodona – fazia tempo que não via uma tão legal – e de quebra nos apresenta um Baby Groot do barulho aprontando altas confusões.

Guardiões da Galáxia Vol. 2

Nessa mesma cena também fica claro que os cinco Guardiões já mantêm uma relação muito íntima entre si, tanto que rolam várias pequenas discussões enquanto eles tentam matar um monstro dimensional. Logo fica claro que o tema principal do filme é…

Guardiões da Galáxia Vol. 2

Sim, porque família é o que se tem quando há muita intimidade e muita treta em igual proporção. Esse tema vai ser abordado, de uma forma ou de outra, por todos os personagens principais ao longo do filme – reparem só – e depois da cena de abertura já voltamos a ele, quando finalmente começamos a descobrir quem é o pai do Peter Quill.

Guardiões da Galáxia Vol. 2

E é a porra do Kurt Russell, senhoras e senhores!

Sim, o trailler já mostrava isso. Mas a minha empolgação é porque isso não deixa de ser um dos vários easter eggs oitentistas do filme e eu acho que a escolha do ator não podia ser melhor.

Finalmente confirmamos que Ego, o planeta vivo, é o pai da criança, quando parte da equipe resolve visitar o planeta dele e conhecer suas figuras de porcelana pintadas à mão – na verdade, ele é o planeta… enfim, vocês entenderam.

Rocky e Groot ficam consertando a nave e tomando conta da Nebula (Karen Gillan) – sim, a tal ‘coisa de valor’ do início do post é a irmã da Gamora, que também tem casos de família pra acertar.

Spoiler à frente – pule se quiser clicando aqui

Guardiões da Galáxia Vol. 2

Nebula e Gamora foram treinadas pelo papai Thanos para serem assassinas e a primeira, fisicamente mais fraca, teve um tratamento ainda mais cruel, sendo submetida a vários implantes cibernéticos ao longo da vida, o que fez com que ela culpasse Gamora pela vida que teve e agora voltasse atrás de sangue.

Voltando ao EGO

Achei bem simples e interessante a solução que encontraram para dar mobilidade ao personagem: ele criou uma espécie de avatar dele mesmo, assim pôde viajar pelo universo e engravidar a mãe do Peter no processo. Sim, o avatar do EGO tem um pênis, Drax confirmou.

Falando no Drax

Porra, Dave Bautista está sensacional no papel. Eu caí de rir com quase todas as participações do personagem, suas tiradas e momentos de sabedoria.

Guardiões da Galáxia Vol. 2Esse momentos do Drax ficaram ainda melhores quando a Mantis (Pom Klementieff), assistente pessoal do EGO, começou a ser sua “escada” nas piadas.

Guardiões da Galáxia Vol. 2Tempo de tela

Fodas, em relação a dividir o tempo do filme entre muitos personagens, Guardiões foi tudo que os dois Vingadores nem chegaram perto de ser. Até o Yondu (Michael Rooker) –que inclusive vai ganhar um novo moicano bem mais maneiro – tem uma cena histórica pra chamar de sua, além de também protagonizar dois momentos família: um mais óbvio, com Peter Quill, e outro inesperado com o Rocky.

Guardiões da Galáxia Vol. 2

Spoiler a frente – pule se quiser clicando aqui

Toda a cena final entre Yondu e Peter Quill é um bom exemplo do quanto o filme é bem construído. Depois de quase duas horas de ação e piadas se revezando, temos um momento bem triste e intenso, com Yondu se redimindo das suas falhas, se sacrificando para salvar seu “filho” – a cena da morte foi bem pesada – e no final mostrando a Quill quem era de fato o seu pai. No final, Yondu tem seu valor reconhecido pelos outros mercenários e ganha um funeral à altura – quem não se emocionou com isso tudo está morto por dentro. Ainda assim, toda essa carga dramática não quebra o ritmo do filme nem parece forçada. Ponto pro James Gunn.

Alguém aí tem fita adesiva?

A essa altura já ficou claro que interações e diálogos são o ponto alto de Guardiões da Galáxia Vol. 2, né? Além disso, James Gunn pegou o conceito de fanservice e elevou a outro nível com todo o esquema do David Hasselhoff.

Guardiões da Galáxia Vol. 2
O cara da Super Máquina, fera. SOS Malibu também, tá ligado?

Tudo aquilo foi quase um meme dentro do filme e eu espero MESMO que a brincadeira continue nos próximos. Sim, porque os créditos finais deixaram claro que os Guardiões vão voltar, nem que seja durante os dois filmes da Guerra Infinita que estão por vir.

Easter eggs, aparições, cenas extras…

Howard, o Pato, apareceu outra vez.

Guardiões da Galáxia Vol. 2

E por isso, vou fazer uma parada que vai doer bem mais em mim que em vocês: um Falange relembra do filme dele, de 1986 – um dos primeiros filmes da Marvel, inclusive. Sai segunda que vem.

Claro que teve a cena do Stan Lee e vai ter post sobre ela. Sai nessa quarta. (Saiu! Clique aqui.)

E esse lance todo do Ego, o planeta vivo? Já tinha ouvido falar dele? Sexta sai post sobre sua origem nos gibis, versões diferentes e tal, blz?

Spoiler à frente – pule se quiser clicando aqui

Uma das cenas pós crédito mostra que Ayesha (Elizabeth Debicki), a Sacerdotisa dos Soberanos, não desistiu de sua vingança e pra isso produz algo que parece uma arma de destruição em massa – ou um sarcófago, vai saber – chamado ADAM.

Não tem ideia do que ADAM pode significar? Então cola por aqui na próxima sexta que além do post do EGO, vai ter outro explicando isso aí.

Enfim,

Guardiões da Galáxia Vol. 2 consegue a façanha de entregar muito mais do que se esperava e supera o primeiro filme, que já era muito bom, em quase tudo. Um golaço da Marvel e uma ótima notícia pra todos os fãs, inclusive eu.

Não, eu não esqueci da trilha sonora, que é tão boa quanto a Awesome Mix Vol. 1. Não vou colocar um dia certo, mas ao longo da semana tem surpresa por aqui. Bom filme e bjundas pra todos!