Falange Resenha | Amizade Desfeita (Unfriended)

0

Vinheta da Mãe SerpenteMais um filme de 2014 vai para nossa lista do Mês das Bruxas desse ano. E mais um filme da Blumhouse. Desde seu primeiro longa, em 2009, a produtora se tornou referência na criação de filmes de horror de altíssima qualidade com todo o espaço criativo necessário para a experimentação. E talvez o projeto mais experimental que já tenha passado pela Blumhouse seja Amizade Desfeita, ou Unfriended. Isso porque o filme combina diferentes formatos já conhecidos na produção de algo único. O resultado final de Amizade Desfeita simula a tela de um computador, cheio de programas encontrados regularmente nos computadores de todos. Além disso, ao tratar do cyberbullying, o filme também constrói uma estória de horror com base em elementos facilmente reconhecíveis pelo espectador.

Sincronia e simulação

Depois de um longo processo de produção, o filme Offline mudou de nome para se tornar Cybernatural. Como o trocadilho com o sobrenatural era ruim, Unfriended passou a ser o nome oficial do filme lançado em grande circuito. E a tradução, Amizade Desfeita, é perfeitamente adequada para o longa (sem precisar de um “do mal”). Isso porque a trama de Amizade Desfeita segue um grupo de amigos que se comunicam pelo computador, e envolve ferramentas digitais como Skype, Facebook, Instagram e Spotify. A ideia é simular uma tela de computador, no caso um MacBook, e reproduzir também a forma como as novas gerações estão habituadas a ter sempre o computador ligado, um meio para todas suas formas de comuniação.

A primeira forma de experimentação do filme foi pensada para aprofundar a ideia do cenário em que esse grupo de jovens se encontra é similar àquele que visitamos todos os dias, do conforto de nossos Quartéis Generais. Mensagens instantâneas, buscas imediatas por termos desconhecidos, compartilhamento de links. Em pouco mais de duas décadas, a sociedade ocidental se acostumou a incluir o computador em todas suas atividades diárias. O primeiro incômodo que Amizade Desfeita provoca, então, é mostrar sequências de imagens de botões inclicáveis, e ícones de espera do mouse de carregamentos que se prolongam. Além disso, a duração Amizade Desfeita coincide segundo a segundo com o desenrolar dos acontecimentos mostrados.

Imagem do filme Amizade Desfeita, também conhecido como Unfriended, ou Offline. A cena mostra um casal de jovens, tirando sua roupa em uma ligação do Skype.
Computadores fazem tanto parte de nossas vidas que até relações íntimas como o sexo passam por ambientes virtuais. Para o bem ou para o mal.

O espectador é colocado em uma posição passiva, em que acompanha uma única tela de computador. E precisa resistir ao impulso de mover o mouse, clicar, mudar de tela. Ações corriqueiras, mas que se tornam estranhas quando observamos outra pessoa realizá-las, ao invés de as fazermos nós mesmos. E como a maior parte dos espectadores brasileiros irá ter seu primeiro contato com Amizade Desfeita pela tela de um computador ou de uma televisão de última geração, fechar a janela do filme e voltar às atividades regulares provoca a sensação incômoda de continuidade, como se tudo o que houvesse de errado com as personagens da trama continuasse a existir dentro de seu computador. Essa percepção é essencial para a mensagem final de Amizade Desfeita.

Amizade Desfeita e o Cyberbullying

A segunda forma de experimentação do longa diz respeito à tradição dos filmes encontrados no cinema de horror. Esse formato se tornou popular depois de A Bruxa de Blair (The Blair Witch Project, 1999). Nesse tipo de cinema, temos um suposto registro audiovisual encontrado, produzido pelas próprias vítimas do vídeo. Ao invés de um material póstumo, Amizade Desfeita subverteu a estratégia habitual, para tornar o material real uma produção simultânea ao consumo do espectador. Não se trata de uma gravação encontrada. Se trata de uma gravação produzida enquanto você acompanha a narrativa.

Ainda assim, todas as imagens são criadas em primeira pessoa, a partir de aparelhos facilmente encontrados em casas e lojas. É a simulação máxima da vida real, ao invés de uma fantasia produzida por estúdios e câmeras profissionais. E essa é uma forma muito adequada de lidar com um tema como o cyberbullying.

Apesar o avanço acelerado de invenções tecnológicas, ainda não utilizamos a internet de forma consciente. Muitas pessoas não têm a noção real do quanto as redes digitais ajudam a espalhar qualquer informação a velocidades cada vez maiores, e como é quase impossível deletar qualquer material já disponibilizado online. Isso resulta em um tipo de perseguição e violência que ganha uma escala cada vez mais acentuada, ao ponto de que o bullying virtual é a causa de números cada vez maiores de suicídio entre jovens ao redor do mundo.

Imagem do filme Amizade Desfeita, também conhecido como Unfriended, ou Offline. A cena mostra um vídeo falso de YouTube, com uma menina bêbada sendo exposta.
A maior parte de nós já está habituado a registrar fotos e vídeos de todos os momentos de pessoas ao nosso redor. Muitas vezes sem perceber que essa exposição pode ter consequências graves.

Unfriended | Uma indicação

A forma como Amizade Desfeita foi filmado, editado e distribuído é ideal, justamente porque o filme quer tratar do suicídio derivado do bullying, do vício de ferramentas virtuais, da potencialização da violência psicológica que ocorre na internet. E para isso foi necessário uma estética intimista. Amizade Desfeita é extremamente recomendado também porque serve como espelho para o modo de formatar relações pessoais por meio de dispositivos eletrônicos, cada vez mais presentes em nossa vida sem que sejamos capazes de compreender as consequências reais de seu uso.

Amizade Desfeita pode ser encontrado na Netflix, o principal canal de streaming no Brasil. O nome original do filme, Unfriended, pode ser mais fácil de localizar dependendo de suas configurações.